22/03/2015

Entrevista literária: Coletivo Poesia Marginal

Olá meus amores, voltei com o entrevista literária eeeee, e a entrevista de hoje foi feita com a equipe Coletivo com o Bruno Sofrozine e o Vitor Vallombroso, foi de grande aprendizado para mim e com certeza vai ser para vocês, vamos para a entrevista.



1. De onde surgiu a ideia de postar poemas no Facebook e no Instagram?


Vitor Vallombroso: A ideia do Instagram surgiu de uma amiga que está em vias de ser publicada lá. Inicialmente pensei em um Tumblr, já que eu estava cansado do Facebook. Ele pode ser a maior rede social – e, respondendo a sua pergunta, é por isso que mantemos uma página lá – mas ele nos rendeu apenas 275 curtidores; no Instagram, temos mais de 4.500 seguidores. Isso é fruto não da nossa falta para com o Facebook, mas da falta do Facebook conosco.

 Bruno Sofrozine: A ideia foi de Vitor. Eu meio que fui chegando depois como quem não quer nada. Num instante, estava apenas perguntando o que deveria fazer se quisesse ser publicado; no outro, estava enviando e-mails para autores em potencial, rsrs.
Eu não me considero um poeta. Creio que algumas situações pelas quais tenho passado nos últimos meses é que têm alimentado minha criatividade. Sem contar que o modelo criado por Vitor é bem fácil e gostoso de escrever.

 Vitor Vallombroso: Na verdade, eu não criei, embora o Bruno goste de dizer que sim. Apenas reformulei a partir de algo que já existia na internet.

2. Qual o principal objetivo do seu trabalho?

 Bruno Sofrozine: O Coletivo Poesia Marginal é, na verdade, uma curadoria de poesias. Trabalhamos com vários autores. Logo, o principal objetivo do projeto é dar oportunidade para escritores amadores – ou não profissionais, como preferimos chamar – mostrarem seu trabalho. Há muita gente talentosa por aí que, infelizmente, não tem visibilidade. Queremos mudar isso.

 Vitor Vallombroso: Eu discordo do Bruno, inicialmente.  Não gosto de chamar não profissionais, prefiro o termo marginal. Em essência, somos isso. Estamos à margem do mercado literário, das editoras, até mesmo dos leitores e da blogosfera literária. Nosso objetivo é deixar de estar à margem e fazer com que outros escritores também o deixem. Reconhecimento para os que escrevem para a internet.


3.Qual é seu maior sonho nesse trabalho?


 Bruno Sofrozine: Fama, sucesso, dinheiro, hahahaha. Brincadeira.
Queremos tornar o Coletivo um produto multimídia e um projeto referência em poesia na internet. Temos planos para Youtube, sites, impressos, lojas etc.


 Vitor Vallombroso: Acho que meu maior sonho é conseguir ser grande ao ponto de poder lançar autores. O Coletivo já me possibilitou conhecer vários autores e publicá-los, e eu adoro isso, gostaria de que isso os deixassem famosos. Tem muita gente talentosa travestida de anônimo na internet.


4.Dentre todas as frases que compartilha, qual te representa?

 Vitor Vallombroso: Sem dúvidas, essa:  Para ver a frase clique aqui. Além de ser uma pergunta constante na minha mente, eu adoro transitar entre as exatas e as humanas, prestei vestibular para computação e acabei em letras, rs.
Bruno Sofrozine: Caramba! Tem tantas. Há uma em especial que, no momento, é minha preferida, mas não foi postada ainda. Está programada para o próximo mês.


5.Você tem um livro favorito?

 Bruno Sofrozine: Livros. A franquia Harry Potter.

 Vitor Vallombroso: Sim, tenho. Um por semana, rs. Atualmente é “Nem vem que não tem, a vida e o veneno de Wilson Simonal”.


6. De onde surgem as inspirações para fazer os poemas?


 Bruno Sofrozine: No meu caso, da minha vida, das minhas experiências e aventuras, dos meus sentimentos. Tudo que escrevo é inspirado em fatos reais. E acredito que ocorra da mesma forma com todos.


 Vitor Vallombroso: Minha inspiração vem dos leitores. Mais especificamente de saber que se eu não postar amanhã, serei xingado, rs.


 Bruno Sofrozine: Verdade, tem isso também, hahahaha.


7. Que dica você daria para os leitores do blog e para seus leitores, sobre a literatura?
 
 Bruno Sofrozine: Uma vez, eu ouvi uma pessoa dizer que não lia best-sellers. Sinceramente, não podia achá-la mais babaca. Esse discurso insinua que best-sellers são ruins exclusivamente por serem best-sellers, quando isso está bem longe de ser a verdade. Minha dica é que leiam o que quiserem, o que gostarem, o que lhes fizerem sentir bem... Menos Cinquenta Tons de Cinza, aí é forçar a barra, hahahaha.


  Vitor Vallombroso: Olha, muitos dos leitores da blogosfera literária são também escritores e a dica que eu dou é: não desistam de escrever. E, se tiverem uma chance de ser publicados, agarrem-na. Eu adoro quando meus leitores chegam querendo ser publicados, demonstra que querem mais. E que leram a bio, rs.




Adorei fazer a entrevista, e espero que vocês também tenham gostado. Se vocês quiserem ver o trabalho deles no Facebook Clique Aqui e no Instagram Clique Aqui.

Bom gente foi isso, curtam a page do blog, sigam o blog e é isso, muitos beijos e até a próxima.






 












 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário